Gonzaga Filho

GUAMARÉ

GUAMARÉ -RN


                                                 HISTÓRICO

Antes do descobrimento do Brasil, espanhóis da esquadra do Pizón já davam ciência das terras salineiras de Guamaré.

Durante a ocupação francesa no Rio Grande do Norte, Guamaré é citada em importantes mapas: o de Descaliers em 1555, o qual chamava de “Grande Baya” e o de Jacques de Vaullx, de Claye, em 1579, que a denominava de “Le Grand Bee Du Parcel” (A Grande Baía dos Parcéis).

GUAMARÉ tem a origem de seu nome formada pela junção das palavras água e maré, por estar localizada às margens dos rios Aratuá e Miassaba, recebeu a presença do homem branco nos idos de 1605.

 

1605 – Passagem por Guamaré, do Capitão Pero Lopes de Souza, sua família e soldados, quando fugiam da tentativa frustrada de colonizar o Ceará, passando pelas terras das salinas, salvaram-se comendo aratus crus e bebendo água nas cacimbas de “Água Maré”. Ao chegar ao Forte do Rio Grande, dá ciência ao Capitão-mor Jerônimo de Albuquerque, dessa riqueza.

1606 – Em 20 de Agosto o Capitão-mor Jerônimo de Albuquerque doa as “terras salineiras de Guamaré”, aos seus filhos Antônio e Mathias de Albuquerque.

1611 – Quando foi realizado o “Auto do Traslado de Capitania do Rio Grande” – consta a sesmaria 85 – Guamaré, pertencente a Antônio e Mathias de Albuquerque, filhos do Capitão-mor e sendo considerado o que se tinha de mais valioso em terras na capitania.

1612 - Encontrava-se também registro da localidade de Guamaré, no mapa de João Teixeira.

1631 – Descoberta das Salinas de Guamaré pelos holandeses que aqui fundaram a “Huys de Woestyne” ou “Casa do Deserto”.

1783 – O português Francisco dos Santos, residente em Caiçara, construiu a Capela de Nossa Senhora da Conceição em gratidão, por ter conseguido salvar-se juntamente com sua tripulação, de uma tempestade no alto mar e aportando em Guamaré. È fundada a Igreja de Nossa Senhora da Conceição.

1833 – Guamaré já pertenceu ao Município de Açu, passando para Angicos em 1833, de quem foi Distrito da Paz em 1834, tendo 201 moradores adultos.

1834 – Foi Distrito de Paz de Angicos.

1837 – Envio da petição à Assembleia Legislativa, para criar a Vila Imperial de Guamaré. Em 06 de setembro de 1837,

Os moradores de Guamaré enviaram à Assembleia Legislativa uma petição pleiteando a criação da Villa Imperial de Guamaré e respectiva freguesia. A Comissão defensora junto ao poder Legislativo compunha-se dos Senhores Joaquim Álvares da Costa, vereador em Angicos e proprietário, Antônio Ferreira de Brito, negociante e André de Souza Miranda, Juiz de Paz e proprietário. Francisco Trajano Xavier da Cunha, outro vereador e que seria o primeiro Juiz de Paz em Macau, declarou-se solidário.

Desejavam área municipal com dezessete léguas de comprido; do Tabuleiro Alto dos Pitas ao Rio Camurupim; da Fazenda São Pedro, de Francisco José Soares, à Fazenda Gangorra, em linha reta à Canafístula, inclusive neste ponto a Fazenda Floresta, do Capitão Francisco Trajano Xavier da Cunha e a Fazenda Rosário, do tenente coronel João Marques de Carvalho. Seguia daí em rumo certo ao rio Camurupim mais praias pertencentes a Angicos.

Os proprietários informavam existir “boas estradas” e que Guamaré era o ponto da província onde mais existiam armadilhas de pescarias e tinha um porto onde entravam barcos e canoas grandes da costa, carregadas “todo o preciso para o bom passadio dos habitantes”.

As Comissões de Estatística, Justiça Civil e Criminal da Assembleia, compostas dos Deputados João Patrício da Silva Juba, Antônio Basílio Ribeiro Dantas, Bartolomeu da Rocha Fagundes e Luís da Fonseca e Silva, em 15 de outubro de 1838 deram parecer contrário, por serem lugares despovoados, exceção da povoação. Parecer aprovado no dia seguinte. Quando os macauenses voltaram a pleitear a independência administrativa (setembro de 1847), Guamaré protestou.

1847 – Incluiu-se no território de Macau onde permaneceu mesmo quando houve a restauração de Angicos em 1850. Distrito de Paz de Macau em agosto de 1873. Passou a ser jurisdicionado por Macau.

1962 – Mas a tão sonhada Emancipação de Guamaré, tornou-se realidade em 07 de maio de 1962, através da Lei nº 2.744, quando foi desmembrada de Macau, tornando-se um novo Município do Rio Grande do Norte.

HISTÓRICO DA EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DE GUAMARÉ

O município de Guamaré, localizado no litoral norte potiguar, pertenceu à jurisdição dos municípios de Açu, Angicos e Macau. A sua Emancipação Política teve como propositor o Deputado Veras Saldanha e como relator o Deputado Jácio Fiúza, que através do Processo 071/62 defenderam na Assembleia Legislativa a liberdade sonhada pelo povo dessa terra, que já buscava há muito sua independência.

A Lei 2.744 que criou o município de Guamaré foi aprovada no dia 01 de maio de 1962 e sancionada pelo Governador Aluízio Alves no dia 07 de Maio do mesmo ano. Sua publicação deu-se no Diário Oficial em 09 de maio de 1962.

O Governador do Estado nomeou no dia 10 de dezembro de 1962, conforme o Art. 3º da Lei 2.744, o Sr. João Batista Carmo, como Prefeito do Município de Guamaré, o qual foi empossado no dia 11, na Secretaria do Interior e Justiça de Natal. João Batista do Carmo governou Guamaré, até 30 de janeiro de 1964 quando deu posse ao primeiro Prefeito Constitucional eleito pelo voto popular, Luiz Virgílio de Brito.

GEOGRAFIA DO MUNICÍPIO

Tendo como principal fonte de renda a extração do petróleo, o município de Guamaré está situado em uma área praticamente virgem, onde a natureza preserva todo o seu esplendor. São 176 km partindo de Natal até o coração da costa salineira do Rio Grande do Norte.

O visitante vai encontrar 12 km de praias entrecortadas por rios, mangues e dunas, sem falar no espetáculo oferecido pela integração de quatro ecossistemas: o mar, as dunas, a caatinga e o mangue.

POPULAÇÃO: 14.633 hab. Estimativa do IBGE/2015

ÁREA: 258,958 km²

ALTITUDE: Entre um a dois metros em relação ao nível do mar

TEMPERATURA: A média fica entre 28°C a 29°C.

HIDROGRAFIA: Guamaré tem a sua sede banhada pelos Rios Aratuá, Miassaba e Camurupim, mas possui praias banhadas pelo Oceano Atlântico. Possui as Ilhas do Presídio (Oceânica e Fluvial), Casqueira (Fluvial) e Ema (Fluvial).

FLORA: A área litorânea é rodeada de belos manguezais e no interior, prevalece à caatinga.

LIMITES: Localizada na Região Salineira do Rio Grande do Norte, Guamaré limita-se ao Norte com o Oceânico Atlântico, ao Sul com o município de Pedro Avelino, a Leste com o município de Galinhos e a Oeste com o município de Macau.

ACESSO RODOVIÁRIO: Para sair da Capital rumo à Guamaré, o acesso é a BR 406 seguindo até o Distrito de Baixa do Meio onde se entra à direita e segue-se à Rodovia RN 227 que termina no Município de Guamaré. Para quem desejar ir de Guamaré ao Município de Macau, utiliza a Rodovia RN 227 que liga Guamaré à BR 406, na entrada de Macau. Porém quem desejar ir ao Município do Alto do Rodrigues, saindo de Guamaré, pode trafegar pela Rodovia RN 227, cruzando com a BR 406 e seguindo a estrada do oleoduto da Petrobrás (mais conhecida como a estrada do óleo).

ACESSO MARÍTIMO:  Guamaré é um porto marítimo pela sua natureza, como vimos no histórico do município. Através de seus rios Aratuá, Miassaba e Camurupim, navegáveis, Guamaré recebe embarcações de pequeno e médio porte, como: barcos a vela, barcos a motor, lanchas e rebocadores usados pela Petrobras, sendo o seu porto, veículo de embarque e desembarque de passageiros e cargas para as plataformas de petróleo. O passeio turístico pelo mar é realizado tanto para a Praia do Presídio, como para o município de Galinhos, através do trapiche, local de embarque e desembarque de passageiros com destino a passeios.


ECONOMIA DO MUNICÍPIO

A economia do Município de Guamaré desde que se tem conhecimento de sua história esteve baseada na pesca e na extração do sal. Porém com a descoberta do petróleo em seu litoral em 1975, quando perfurou o primeiro poço na Plataforma de Ubarana 06 (PUB I), iniciou-se uma nova fase econômica em Guamaré. A extração teve início em 16/06/76, onde eram extraídos 83 m3/dia. A produção terrestre é pequena e teve início em 07/01/83.

A presença da Petrobras em Guamaré foi fator fundamental para o seu desenvolvimento. Para o Polo Industrial de Guamaré, hoje, Refinaria Potiguar Clara Camarão, converge todo o óleo e gás produzidos na Plataforma Continental do RN e grande parte da produção terrestre.

Atualmente, a Refinaria Potiguar Clara Camarão mantém uma unidade de processamento de gás natural, uma planta de diesel, uma planta de querosene de aviação. O Polo de Guamaré abastece o Rio Grande do Norte e parte de outros estados com esses três combustíveis e gás de cozinha. Ainda no Polo de Guamaré, está a Estação de Compressores de Ubarana – ECUB.

Nesta Estação, o gás é recebido e tratado, logo depois é enviado através do Gasoduto Nordestão, para a cidade pernambucana de Cabo, alguns distritos industriais do Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco. No Polo estão instaladas duas estações de tratamento de efluentes, cuja finalidade é tratar a água descartada dos processos industriais lá existentes.

A Petrobras desenvolveu e implantou uma refinaria de biocombustível, onde será extraído o óleo a partir do fruto da Mamona. Já está em produção a planta de querosene de aviação como também a produção de gasolina automotiva.

A PESCA ainda é uma atividade movimentada em Guamaré. Com o apoio da Colônia de Pescadores, o pescado abastece não só o município de Guamaré, como também é vendido para outros municípios. Há abundância de mariscos, siris e caranguejos nos rios de Guamaré.

A CARCINICULTURA também é uma atividade em pleno desenvolvimento, tendo em vista que as antigas salinas estão sendo vendidas ou arrendadas, para projetos de criação de camarões em cativeiro (viveiros), onde se encontram instalados cerca de doze projetos em funcionamento no Município (ano 2000).

A AGRICULTURA é basicamente de subsistência, mas o município voltou a plantar o algodão e hoje os assentamentos desenvolvem a plantação de hortas e frutas.

A PECUÁRIA é uma atividade pequena, sem expressividade, porém destacando-se a criação de ovinos e caprinos.

O COMÉRCIO local conta com supermercados, mercearias, feiras livres, farmácias, postos de gasolina, lanchonetes, sorveterias e restaurantes.

Quanto aos serviços, Guamaré dispõe de alguns restaurantes, lanchonetes, bares, sorveterias e algumas pousadas e pequenos hotéis, com tendência à expansão, tendo em vista que o Turismo vem crescendo na região.

No que diz respeito à vida noturna, alguns bares na orla marítima funcionam para o lazer dos visitantes e moradores local.

CULTURA

A Cultura local é a mesma tradicional das cidades litorâneas.

As antigas bordadeiras e rendeiras, assim como os pescadores que constroem redes e armadilhas de pesca ainda fazem o Artesanato de Guamaré.

O Folclore entre os adultos perdeu-se um pouco, mas hoje é resgatado nos jovens, através das escolas.

As danças comuns eram: Lapinha, Pastoril, Boi de Reis, Coco de Roda, Xaxado, quadrilhas. Os bailes, nas casas de famílias, eram geralmente tocados por um sanfoneiro, ou tocador de cavaquinho, Realejo e acompanhados com Pandeiros e bombos. Dançavam casais, crianças, idosos, todos com muito respeito.

A iluminação era com candeeiro, lamparina, com querosene e depois apareceu a lâmpada a gás. A iluminação só veio no ano de 1958, quando um motor de moer sal, após esse trabalho, fornecia energia elétrica para as duas ruas principais. Poucas casas puxavam essa energia.  Ficava acesa apenas de seis horas da tarde, até às nove da noite.  Na década de 60, é que a energia de Paulo Afonso chegou até Guamaré.

Os fogões eram acesos com lenha ou carvão. O uso do Gás de cozinha, só chegou para nós, no final da década de 60.

No dia 21 de Agosto de 2013, às 20h00, foi inaugurado o CENTRO CULTURAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA para que seja efetuado o resgate e a manutenção da cultura popular do município. O Centro Cultural dispõe de um grande acervo fotográfico e documental para pesquisa, além de loja de artesanato, exposição de artes plásticas e fotografias, além de apresentações de danças, apresentações teatrais e de grupos folclóricos.

RELIGIÃO

Quase todas as famílias de Guamaré, eram católicas. Tudo girava em torno da igreja. Os eventos eram sempre nas comemorações religiosas. Os padres vinham de Macau, porém não eram frequentes.

Os casamentos, batizados e outras recepções, geralmente eram em grupo, pois marcavam uma data comum. A igreja era rígida com os fiéis. Existiam as novenas tanto na igreja, quanto nas casas das famílias. As festas da padroeira eram complementadas com barracas em volta da igreja, com quermesses, leilões e muitas doações. Havia muita devoção.

A primeira família Evangélica de Guamaré é a do senhor Cícero Preto, que iniciou em sua casa, o culto e hoje o movimento evangélico é grande e ajudou na formação da sociedade.

Os espíritas kardecistas são poucos e quase não há divulgação desse movimento.

Os adeptos do candomblé, também existem em pequenos grupos, mas não existem terreiros em movimento.

LITERATURA

Quanto à Literatura, Guamaré já conta com alguns escritores e vários livros publicados:

LUIZA CAVALCANTE DE MIRANDA escreveu “Minhas Recordações” (Poesias).

IRUVANE GALVÃO DE MIRANDA escreveu “Asas de Um Ideal” e “Pontes Infinitas” (Poesias).

MARIA JANDIR CANDÉAS escreveu: “Guamaré Ontem e Hoje: Apontamentos Para Sua História”, “Guamaré: 50 Anos de Emancipação Política 1962 – 2012”, “Museu Histórico de Guamaré: Retomada de Uma História e “Guamaré e o Mar: Sua Relação Com a Ilha de Manoel Gonçalves” (Todos são pesquisas sobre a história do município).

GONZAGA FILHO escreveu: “O Sol Que Caiu” (Poesias), “Os Contos Que Canto” (Poesias), “Luzes e Trevas” (Poesias), “Fragmentos” (Poesias), “Eu, Sobre a Paisagem” (Poesias), Guamaré, Retalhos Poéticos” (Poesias), “Invasora Dos Meus Sonhos” (Poesias), “Navegante das Paixões” (Poesia), “Afogado Entre Flores” (Poesia), “Na Sintonia do Amor” (Poesia), “Poemas Avulsos” (Poesia), “O Uivo da Lua” (Poesia), Metamorfose (Poesia) “O Mar Me Contou” (Contos), “Orgias & Delírios” (Contos Eróticos), “Delírios & Orgias” (Contos Eróticos), “Nau Frágil da Vida” (Romance) e “Cortinas de Promessas” (Documentário Político).

SAMARA GADELHA DE MIRANDA escreveu: "Índice Onomástico - O Que Há Por Trás Dos Sobrenomes?" (Pesquisa).

Além de poetas que ainda não conseguiram publicar os seus livros, como a poetisa VALDEÍZA MORAIS (Izapoetiza), os poetas cordelistas FRANCISCO DE BETHÂNIA, EDSON SILVA e também o já falecido GALEGO ABOIADOR (In Memoriam).

ESPORTES

O esporte em Guamaré movimenta jovens e adultos.

O Futebol de Campo e Futebol de Salão são as marcas fortes do esporte do município.

Na Praia do Rio Aratuá acontece os campeonatos de Beach Soccer, Futevôlei, Vôlei de Praia, Natação, Regatas de Canoas, Corridas Rústicas, Ciclismos, entre outras modalidades esportivas.

Mas o Esporte guamareense também é destaque no Taekwondo, Jiu Jitsu e Judô.

Alguns grupos de Capoeira e de Makulelê, já existem em Guamaré e Baixa do Meio.

TURISMO

Guamaré tem uma grande beleza natural.

Cercada de Dunas, praias, marés e mangues, a natureza é um grande diferencial para o turismo local.    

Já existe o TURISMO DE NEGÓCIOS, implantado pelo fato de ter o Polo Industrial da Petrobrás, onde muitas empresas trazem seus técnicos que aqui passam grande período de sua vida.

O TURISMO NÁUTICO é outra possibilidade, pelo fato de Guamaré está entre rios tranquilos que proporciona belos passeios.

O TURISMO ECOLÓGICO pode ser realizado pelos manguezais e dunas, onde existe uma fauna e flora preservada que poderá ser apresentada ao turista como um dos mais belos atrativos.

O TURISMO ESPORTIVO pode ser feito, com passeio de lanchas, pesca e mergulho.

O TURISMO DE EVENTOS poderá ser realizado, quando a Prefeitura investir em infraestrutura como: construção de museus, teatro, centro de convenções, parques, para que sejam realizados seminários, palestras, congressos, feiras culturais e de negócios, onde os visitantes possam interagir com a cultura local.

O TURISMO RELIGIOSO poderá ser explorado nas festas dos padroeiros da sede e dos distritos, além da encenação teatral do espetáculo da Paixão de Cristo.

GASTRONOMIA                    

A Gastronomia de Guamaré é praticamente a base de frutos do mar, apesar de serem servidas as mais variadas refeições nos restaurantes locais, o que predomina mesmo são os pratos a base de peixe, lagosta, camarão, mariscos, siris e caranguejos.

Uma boa pedida para se tomar com o seu aperitivo é o caldo de marisco no coco. Além de nutriente ajuda a recuperar o organismo debilitado pela ressaca causada pela ingestão de bebidas alcoólicas anteriormente.

O camarão alho e óleo é uma especialidade dos restaurantes que ficam localizados na orla do Rio Aratuá, como também o caranguejo e a ostra.

O peixe é encontrado nas mais diferentes formas: Moqueca, frito, assado na brasa, etc...

CALENDÁRIO DE EVENTOS TURÍSTICO

APROVADO PELA LEI 370/07

 

JANEIRO – Festa de São Sebastião

A Festa de São Sebastião é realizada no distrito de Baixa do Meio, onde o Santo é padroeiro. Ocorre no dia 20 de janeiro e tem uma semana de Festividades. Além das solenidades religiosas, têm as culturais e encerra com apresentação de Bandas.

JANEIRO / FEVEREIRO - Verão Vivo

O Verão Vivo ocorre entre os meses de janeiro e fevereiro. Durante quatro semanas que antecedem o Carnaval, com jogos de Praia e shows musicais.

FEVEREIRO / MARÇO - Carnaval

O Carnaval de rua é um ponto forte no Município de Guamaré, com desfile de Blocos pelas ruas da cidade. Mas o Carnaval da praia Aratuá, com a participação de Bandas tocando em palco, também garante as noites dos foliões guamareenses.

MARÇO - São José

Festa de São José ocorre no distrito de Lagoa Doce no dia 19 de março, sendo o padroeiro, onde a comunidade realiza uma semana de festa, com atrações culturais.

MARÇO – ABRIL - Paixão de Cristo

A encenação do Drama da Paixão de Cristo, realizada em praça pública 40 dias depois do Carnaval.

MAIO – Emancipação

No dia 07 de Maio é comemorada a data de Emancipação Política do Município.

A Igreja Católica mantém as festividades em homenagem a Nossa Senhora, encerrando as festividades no dia 31, com a Coroação de Nossa Senhora, atraindo muitos fiéis.

JUNHO - São João

As festas juninas também são comemoradas em Guamaré (na Sede), principalmente com as quadrilhas dos Colégios locais. Nos Distritos, os festejos esquentam mais, pois são tradicionais as quadrilhas e os forrós, como em Baixa do Meio e Mangue Seco. De 10 a 30 de Junho na sede e nos distritos.

JULHO - Vaquejada de Mangue Seco

As Vaquejadas no Município de Guamaré são realizadas no Distrito de Mangue Seco, na 2ª quinzena de julho, atraindo grande número de pessoas, que além dos torneios, vão para assistirem shows musicais com grandes Bandas.

AGOSTO - Nossa Senhora dos Navegantes

15 de Agosto (Comemorado na última semana de Agosto).

Guamaré por ser um porto marítimo, tem sua protetora, Nossa Senhora dos Navegantes, tida como padroeira dos pescadores e tem sua festa tradicional realizada a cada último final de semana do mês de agosto. É uma solenidade que atrai pessoas de vários Municípios, culminando com a procissão marítima pelos Rios Aratuá e Miassaba.

OUTUBRO - Nossa Senhora Aparecida

No dia 12 de outubro, é realizada a festa de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do distrito de Salina da Cruz, com uma semana de festa religiosa e cultural.

OUTUBRO - Criação do Distrito de Baixa do Meio

No dia 26 de outubro, é a data de criação do distrito de Baixa do Meio e é comemorado com muitas atrações culturais e Bandas.

DEZEMBRO - Nossa Senhora da Conceição

Nossa Senhora da Conceição é a padroeira de Guamaré, merecendo assim uma bonita festa em seu dia, 08 de dezembro, mas comemora-se com uma semana de festa. A população da cidade e dos Municípios vizinhos faz desta data, um grande acontecimento.

A capela de Nossa Senhora da Conceição, criada em 1783, já é um patrimônio Cultural, Histórico e Religioso.

DEZEMBRO - Natal

A população de Guamaré, já conta com a apresentação do espetáculo do “Nascimento do Menino Jesus”, sempre apresentado na semana do natal, tanto em Guamaré, quanto em Baixa do Meio, pelo grupo de teatro “Instituto Sociocultural de Guamaré”.

DEZEMBRO - Réveillon

Comemorado em 31 de Dezembro com festas e queima de fogos.

IMAGENS DE GUAMARÉ

PREFEITOS

João Batista do Carmo

1962 - 1964

Vicente de Brito Miranda

1968 - 1972

Moisés Nunes de Carvalho

1977 - 1982

João Pedro Filho

1989 - 1992

João Pedro Filho

1997 - 2000

Francisco de Assis Silva Santos

2003 - 2004

José da Silva Câmara

2005 - 2007

Mozaniel de Melo Rodrigues

01/2009 à 04/2009

Emilson de Borba Cunha

12/2011 à 12/2012

Hélio Willamy Fonseca de Miranda

2017 – 2018

Luiz Virgílio de Brito

1964 - 1968

Luiz Virgílio de Brito

1973 - 1977

Francisco Teixeira Nunes

1983 - 1989

José da Silva Câmara

1993 - 1996

João Pedro Filho

2001 - 2003

Antônio Carlos da Silva

12/2004

Auricélio dos Santos Teixeira

2007 - 2008

Auricélio dos Santos Teixeira

2009 - 2011

Hélio Willamy Fonseca de Miranda

2013 – 2016

Francisco Adriano Holanda Diógenes

2019 – 202