Gonzaga Filho

GUAMARÉ SE DESPEDIU DO SEU FILHO ILUSTRE. ESTEJA COM DEUS, CHICO DE ISABEL!

10 JUN 2019
10 de Junho de 2019

Neste sábado (06.08.16), Guamaré se cobriu de tristeza ao se despedir do seu filho ilustre, um dos ícones culturais do município. Francisco José de Santana ou Chico de Isabel como era carinhosamente chamado por todos. Seu corpo foi velado no Santuário de Nossa Senhora da Conceição, onde durante muitos anos de sua vida, dedicou-se com fé e devoção a missão de cumprir os princípios cristãos.

Era grande a comoção dos parentes e amigos ao despedir-se de Chico de Isabel. Muitas lágrimas, muita emoção marcou o seu velório na tarde desse sábado.

Maria Santos e Gonzaga Filho, ambos coordenadores do Centro Cultural de Guamaré, que tem o nome de Francisco José de Santana como referência na cultura do município, fizeram as honras juntamente com a historiadora guamareense Maria Jandir Candéas e o com o poeta cordelista Francisco de Bethânia.

O poeta/artista plástico Gonzaga Filho leu a seguinte mensagem:

Francisco José de Santana, ou como é conhecido o nosso querido Chico de Isabel, apesar de tantos problemas em sua vida jamais se entregou a tristeza, sempre foi alegre e soube cultivar as boas amizades. Responsável pelas festas que acontecia antigamente, como São João na Roça, Carnaval (criou o Bloco do Sabiá), Peças Teatrais, sendo o primeiro a encenar a Paixão de Cristo em Guamaré.

Antes, já com a sua saúde debilitada ficava sentado na calçada de sua residência, a observar a beleza do Rio Miassaba. Bom de história sobre a cultura local, gostava de prosear sobre as atividades culturais de épocas passadas.

Mas, no dia 05.08.2016 (sexta feira), Deus chamou este ser iluminado para morar ao seu lado. É difícil para os parentes e amigos aceitar essa perda, mas tudo está sob o comando do Grande Arquiteto do Universo e é ele que determina a hora de todos.

Portanto, nós que somos guamareenses e que labutamos com a cultura, nos despedimos de uma forma triste, mas ao mesmo tempo sabedores que ele cumpriu a sua missão aqui no plano terrestre, deixando os seus frutos na área cultural.

O Centro Cultural Francisco José de Santana está de luto, e mesmo coberto de negro pelo dor, aplaudimos o trabalho desse baluarte da cultura guamareense e pedimos que Deus o acolha em seus divinos braços.

“Aqueles que amamos nunca nos abandona,

Simplesmente partem antes de nós”

 

A historiadora guamareense Maria Jandir Candéas falou sobre a infância e a trajetória pessoal e cultural de Francisco José de Santana (Chico de Isabel), de quem ela foi muito amiga desde a sua infância. As suas palavras se faziam gotas de saudades em todos os presentes.

Logo em seguida, o poeta cordelista Francisco de Bethânia leu um cordel de sua autoria, feito em homenagem ao nosso querido Chico de Isabel.

 

Só quem pode adiar

Do mundo essa partida

É Deus pai, nosso senhor

Que a cada um deu a vida

Quem fica lembra e chora

E aquele que vai embora

Só nos resta a despedida

 

O Centro Cultural se despede

De um dos grandes defensores

E para reverenciar

Para agora os seus tambores

Pra um minuto de silêncio

Versos rimas e repentes

Se junta admiradores

 

Sai de cena mais um artista

Parte para o andar de cima

Mas deixa o seu legado

Pra meninos e meninas

Pra poder ser estudado

Na história ser cantado

Como os professores ensina

 

O seu nome é lembrado

Por amigos e o prefeito

Hélio Willamy muito antes

Viu o valor e o respeito

Por sua desenvoltura

E amor pela cultura

E tudo que ele tem feito

 

Pelos serviços prestados

E suas contribuições

Para o bem do município

E até nas devoções

Procissões e romarias

Terços, missas que pedia

Como católico cristão

 

Devoto de São Francisco

Todo ano em romaria

Nas festas do padroeiro

Em sua casa recebia

Pra fazer o encerramento

Dos católicos o maior momento

Da igreja o padre fazia

 

A arte reflete a imagem

E Gonzaga lhe pintou

Os livros contam a história

Nas letras do escritor

E Maria lhe mostrava

Nas peças que encenava

No teatro que recriou

 

A música em meio tom

O som suave desperta

O artista para e pensa

Nas ruas pouca conversa

Nos passos lentos se vai

Levando que parte em paz

Saudade triste e discreta

 

Patrono daquela casa

Nela deixaste estampado

O teu nome para sempre

Por muitos será lembrado

E quem te conheceu

Sabe que tu mereceu

Ficar na história marcado

 

Como no Terço dos Homens

Na primeira formação

Nos caminhos da igreja

Grande participação

Com o incentivo de Jandir

Você pode construir

Uma melhor interação

 

Saudade serão eternas

De todos que aqui deixou

Amigos e familiares

Sentindo choram essa dor

Pedindo pra poder sarar

Remédio para Deus cuidar

Da Guamaré que ele tanto amou

 

Francisco José de Santana

Tu fizeste o teu papel

Só pedimos a Jesus

Conduzir você no céu

O melhor Deus te guardou

Pra aqueles homens de amor

Igual Chico de Isabel

 

Depois que o padre Flávio fez a oração e o sacramento sobre o ataúde, os familiares tiveram ainda um tempo com o caixão aberto para se despedirem de seu ente querido.

O sol se despedia do sábado, quando o corpo de Chico de Isabel se despedia do Santuário o qual ele tanto amou e dedicou grande parte da sua vida. Saiu o cortejo em direção ao Campo Santo, onde Chico voltará ao pó do qual veio ao mundo.

Uma multidão acompanhava o cortejo fúnebre pelas ruas de Guamaré, cantando músicas sacras que Chico tanto gostava de ouvir. Pessoas paravam para reverenciar aquele que dividiu o seu amor pelos seus filhos/sobrinhos, pela fé e devoção e também pela cultura guamareense.

Amigos como o prefeito Hélio Willamy, o presidente da Câmara Municipal, o vereador Eudes Miranda, o ex-prefeito Emilson de Borba (Lula) e sua esposa Celiana, além do padre Flávio e outros membros da igreja seguiram o cortejo até o cemitério local, onde se despediram do filho ilustre de Guamaré.

Uma lua brilhante minguava no céu, no momento em que a terra abraçava o seu filho de volta. No mesmo instante, também minguava a cultura guamareense com a perda de Chico de Isabel. Partia ali, naquele momento, muito da história de Guamaré. Mas, o seu legado será lembrado para sempre pelos guardiões da cultura guamareense e o seu nome será eternizado no CENTRO CULTURAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA.
Voltar